NOTÍCIAS

Postado em 01 de Fevereiro às 19h15

Justiça dá 3 dias para Estado explicar atrasos antes de decidir bloqueio de R$ 250 milhões

SINJUSMAT A juíza Celia Regina Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, deu um prazo de 72 horas para que o Governo do Estado se manifeste, através da Procuradoria Geral...

A juíza Celia Regina Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, deu um prazo de 72 horas para que o Governo do Estado se manifeste, através da Procuradoria Geral do Estado, sobre a ação proposta pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso (Sinjusmat). A entidade pede o bloqueio de R$ 250 milhões dos cofres do Estado, por conta do atraso dos repasses do duodécimo ao Poder Judiciário, referentes a 2016, 2017 e janeiro de 2018.

“Notifique-se o Estado de Mato Grosso, por seu procurador-geral, para que, no prazo de setenta e duas horas, manifeste sobre a liminar pleiteada pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário”, diz um trecho do despacho da magistrada.

Em nota publicada esta semana, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) ameaçou o fechamento de comarcas no interior do Estado por conta do atraso.

Para o presidente do Sinjusmat, Rosenwal Rodrigues, é necessário a intervenção da Justiça para que Mato Grosso não chegue a falência administrativa e financeira. Ele considerou como um "retrocesso" a possibilidade do Judiciário no Estado fechar comarcas e reduzir o horário de expediente.

O Sinjusmat também protocolou um pedido de impeachment do governador Pedro Taques (PSDB) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT). Na ação, o sindicato explica que o funcionamento dos poderes está comprometido diante da ineficiência do Executivo em fazer os repasses constitucionais enquanto a arrecadação do Estado aumenta ano a ano. É citado como exemplo que a Defensoria Pública fechou 15 comarcas no interior do Estado por falta de recursos.

ERRO JURÍDICO

Na manhã de quarta-feira, o governador minimizou o pedido de bloqueio nas contas do Estado e apontou um erro jurídico do Sinjusmat ao entrar com a ação. Segundo Taques, existem jurisprudências no Supremo Tribunal Federal (STF) que impedem este tipo de interferência externa em relação ao pagamento de duodécimos aos poderes por parte do Poder Executivo.

“O STF já decidiu várias vezes que não cabe a associação debater duodécimo, mas é um direito fundamental de todos se socorrerem no Poder Judiciário. Está na Constituição”, afirmou.

 

Fonte: http://www.folhamax.com.br/politica/justica-da-3-dias-para-estado-explicar-atrasos-antes-de-decidir-bloqueio-de-r-250-milhoes/153084

Veja também

Sinjusmat participa de mobilização para alterar Projeto de Lei que prejudicaria servidores: PL 257 30/09/16 Sinjusmat participa de mobilização para alterar Projeto de Lei que prejudicaria servidores. A Diretoria do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso-Sinjusmat participou na semana passada da mobilização que aconteceu na Câmara Dos Deputados Federais em Brasília, contra a aprovação do Projeto de Lei 257/16 (que......
Servidores são recebidos pelo Presidente do TJ 06/07/17 Atendendo a solicitação do Sinjusmat, o Presidente do Tribunal de Justiça Desembargador Rui Ramos Ribeiro recebeu na tarde do dia quatro de julho de 2017, a Diretoria do Sinjusmat acompanhada da classe dos Auxiliares e Técnicos......
Parecer Jurídico quanto a Lei 10.656 de dezembro 2017.07/03   A retroatividade da Lei n.º 10.656/17 é inconstitucional, conforme precedente do STF. Os servidores do Estado de Mato Grosso foram surpreendidos com a promulgação da Lei n.º 10.656 no dia 28 de dezembro de......

Voltar para Notícias